top of page
  • Foto do escritorMarco Aurélio

O que fazer em Salvador? Descubra este destino imperdível!


Praia em Salvador

A cidade nasceu como protagonista do país: em 1549 foi declarada a primeira capital do Brasil. Claro, a localização era estratégica para os europeus – mas não há dúvida de que as belezas naturais também arrebataram os navegantes. Difícil até hoje não se impressionar com a paisagem das praias do norte, como Itapuã, eternizada por Dorival Caymmi, Vinicius de Moraes e Toquinho, ou mesmo da orla central, onde fica a Praia da Barra, famosa por seu farol. Mais que a natureza, o homem fez de Salvador lugar especial, na beleza das construções históricas, museus, gastronomia e hospitalidade.


Vagar sem pressa pelo Pelourinho, circulando entre museus, ateliês e igrejas do Centro Histórico, é passeio obrigatório. Assim como se aventurar pelos acarajés, abarás e moquecas, sabores fortes que só a Bahia tem.


UM DIA PERFEITO



Comece a manhã percorrendo os corredores do Mercado Modelo, e suba pelo Elevador Lacerda para encontrar a atração número um da cidade: o Pelourinho. Entre tantas igrejas e museus, reserve mais tempo para explorar todos os detalhes da Igreja e Convento de São Francisco, com altares forrados de ouro. Bom programa para o fim de tarde, o pôr do sol no Farol da Barra é um clássico da capital baiana. Encerre o dia com um jantar no Amado, que tem mesas com vista para a Baía de Todos os Santos.


O GUIA RECOMENDA


Provavelmente você vai querer voltar ao Pelourinho, para caminhar com calma e visitar ateliês e lojas de artesanato. Aproveite para almoçar no estrelado Conventual, dentro de um convento do século 16 que hoje abriga um hotel. Dedique ao menos um dia ao litoral norte. Come-se bem por lá: há uma Barraca Do Lôro no Flamengo e outra em Stella Maris; e em Itapuã ficam o restaurante Mistura e o famoso Acarajé da Cira. Percorrer a Avenida 7 de Setembro, o chamado Corredor da Vitória, revela bons museus, como o Carlos Costa Pinto, o Museu de Arte da Bahia, a Paulo Darzé Galeria de Arte e o Palacete das Artes. Vale esticar a viagem até as históricas cidades de Cachoeira e São Félix, ambas com belo conjunto de construções coloniais.


COMO CHEGAR



De carro, partindo do sul, pegue a BR-101 ou a BR-116 até Feira de Santana e, depois, a duplicada BR-324. Do norte, siga pela BR-101 até Estância (SE), continue pela SE-368 e pela BA-099 (Linha Verde). Quem chega no Aeroporto Internacional Deputado Luís Eduardo Magalhães percorre 28 km até o Centro de táxi – R$ 120 com as empresas credenciadas, R$ 80 com os táxis que ficam fora do aeroporto. De ônibus, o trajeto custa R$ 2,80. A rodoviária da cidade fica no bairro Pernambués, a 7 km do Centro.


COMO CIRCULAR


Há boa oferta de linhas de ônibus entre os pontos turísticos, mas os táxis são o meio de transporte mais seguro. A sinalização das vias é, no geral, insuficiente, e o trânsito nas principais avenidas é pesado – sobretudo nos horários de pico. Dica: não tente cortar caminho, pois é fácil se perder por aqui.

Para o Pelourinho, o melhor é ir de táxi, pois há áreas fechadas ao tráfego de carros e poucos estacionamentos. Uma vez ali, dá para fazer tudo a pé – mas não saia do roteiro turístico, as ruas adjacentes podem ser perigosas.

Informe-se sobre o trânsito na Avenida Paralela nas horas que antecedem seu voo (a via, que leva ao aeroporto, é das mais congestionadas).


É TUDO VERDADE


Trânsito por aqui é um problemão. Estudo realizado em 2014 por uma empresa de tráfego veicular averiguou que, nos horários de pico, 59% das principais vias da cidade ficam congestionadas. É a segunda pior capital nesse quesito, só atrás de Recife, com 60%.


ONDE FICAR


A capital baiana assistiu a inaugurações de vários hotéis nos últimos anos. E também conviveu com notícias sobre certo abandono de alguns de seus atrativos turísticos. Estes são apenas dois dos motivos que colaboraram para que a taxa de ocupação hoteleira em 2014 ficasse abaixo da ideal, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH-BA). Isso afeta positivamente o bolso do turista: a diária média ficou em torno de R$ 200.

O que não mudou: Rio Vermelho ainda é o bairro para ficar perto de bons restaurantes e bares; Vitória vale para ir a pé a museus e bons cafés; e Santo Antônio Além do Carmo reúne a maior concentração de quartos com vista panorâmica para a Baía de Todos os Santos. Atenção: os hotéis do Pelourinho não têm estacionamento próprio.


ONDE COMER


Bem-vindo ao universo gastronômico baiano. Aqui, pratos à base de pescados, como moqueca, ensopado e bobó, e outros típicos do sertão, com carne de sol e feijão-verde, convivem com iguarias de influência africana, como o acarajé. Mas há espaço para clássicos internacionais: entre os estrelados do GUIA BRASIL 2015, a novidade é o Conventual, no hotel Pestana Convento do Carmo, onde brilham receitas portuguesas.

Depois daquele passeio prolongado pelo Pelourinho, é hora de recarregar as baterias. Reúna forças para subir a Ladeira do Carmo e relaxe diante do pôr do sol na Baía de Todos os Santos tomando café no Cafelier ou uma cerveja gelada no Cruz do Pascoal.


COMIDA TÍPICA



Acarajé – Quase onipresente, o mais famoso entre os quitutes baianos exala seu cheiro pela cidade. Este bolinho de feijão fradinho frito em azeite de dendê é recheado com vatapá (creme à base de pão, camarão seco, amendoim, castanha de caju, leite de coco, dendê e condimentos), camarão seco e vinagrete. Nas barracas de rua, ele vem montado e costuma ser farto. Na hora de pedir, paladares não acostumados devem responder “não” à pergunta “com pimenta?”. Parente próximo, o abará leva a mesma massa de feijão-fradinho, mas é cozido. Onde comer: nas barracas de Dinha e de Regina (Largo de Santana, Rio Vermelho), de Cira (Largo de Itapuã, Itapuã, e Largo da Mariquita, Rio Vermelho) e de Sônia (Farol da Barra), e na padaria Perini. As barracas costumam abrir às 16h nos dias úteis e às 10h nos fins de semana.

Cocada – Os primeiros cocos vieram de Cabo Verde, na África, originando os coqueirais que no fim do século 16 já cobriam a orla da Bahia. Do fruto, transformado em ingrediente, surgiu a cocada – vendida em Salvador pelas baianas do acarajé. Em seus tabuleiros, o doce (duro ou cremoso) é oferecido nas versões branca e preta. A primeira leva bastante açúcar, cravo e canela; a segunda também leva gengibre, e o açúcar é queimado ou substituído por rapadura. Se não houver nenhum tabuleiro por perto, aposte na Cocada Bahianinha, vendida em caixinhas nas padarias e restaurantes da capital. Onde comer: Nas barracas de Dinha e de Regina (Largo de Santana, Rio Vermelho), de Cira (Largo de Itapuã, Itapuã, e Largo da Mariquita, Rio Vermelho) e de Sônia (Farol da Barra).

Cozinha Baiana – É preciso estômago forte para encarar o receituário da Bahia, sincrético como seus cultos de fé. Comece pela moqueca, ensopado de peixe herdado dos indígenas, enriquecido com leite de coco e azeite de dendê (óleo do fruto da palmeira de origem africana). Outra receita clássica, o bobó é uma espécie de moqueca de camarão engrossada com creme de mandioca.Onipresente na capital, vendido em barracas de rua por mulheres de saia e turbante, o acarajé é um bolinho de feijão-fradinho, frito em azeite de dendê e recheado com camarão seco, vinagrete e vatapá (creme à base de pão, camarão seco, amendoim, castanha de caju, leite de coco, dendê e condimentos); parente próximo, o abará é uma variação cozida do acarajé. Os tabuleiros das baianas exibem também a cocada, doce de coco nas versões dura e cremosa, branca ou preta – a primeira leva açúcar, cravo e canela; a preta tem ainda gengibre e açúcar queimado. Já os bares da cidade preparam a lambreta, um molusco graúdo e saboroso, que vai à mesa cozido, grelhado ou na forma de um revigorante caldo. Onde comer: Nos restaurantes de cozinha baiana.

Lambreta – Da mesma família do mexilhão, trata-se de um dos moluscos bivalves mais graúdos e saborosos do país, encontrado tanto no litoral da Bahia como nas praias de Sergipe e Alagoas. Os mais antigos garantem que cura ressaca, enquanto outros conferem a ele propriedades afrodisíacas. No preparo mais simples, basta o cozimento em pouca água, com temperos como coentro, cebola, sal e azeite. Algumas casas também servem lambreta grelhada ou com molhos à base de vinho branco e páprica. Onde comer: Don Papito.


ARTES


A Casa do Rio Vermelho deixa de ser uma obra literária. O imóvel, na Rua Alagoinhas, 33, foi residência oficial do casal Jorge Amado e Zélia Gattai durante 37 anos. Revitalizada pela Fundação Jorge Amado, a casa agora é um museu aberto para os fãs dos escritores.


PRAIAS


Com tantos museus e construções históricas, as praias não são as melhores atrações da cidade. Mas, se a ideia é aproveitar um dia de sol na beira do mar, a orla pode render um bom programa. Porto e Farol da Barra são as mais badaladas. a do buracão é destino para quem quer sossego, mas pode apresentar más condições de balneabilidade. Itapuã, Stella Maris e Flamengo, mais distantes do Centro, costumam lotar nos fins de semana.


NOITE


A happy hour no Largo de Santana, no Rio Vermelho, tem música e cerveja sob as tendas de acarajé. No Comércio, os cafés da Bahia Marina (Av. Lafayete Coutinho, 1010; 3320-8888) lotam antes do pôr do sol. Mais tarde, os destinos podem ser as pistas do Club Ego, no Hotel Pestana, e do 30 Segundos (R. Ilhéus, 21; 3334-8586), ambos no Rio Vermelho. Ainda no bairro estão o The Twist Pub (R. João Gomes, 95; 3334-1520), que tem programação eclética, e o The Dubliners Irish Pub (R. da Paciência, 225; 3264-6698), reduto de rock e blues. A saideira pode rolar no Caminho de Casa (R. Anísio Teixeira, 161; 3343-7036), 24 horas.


QUANDO IR


Na capital baiana faz calor o ano inteiro, mas entre os meses de abril e junho a chuva cai forte – e pode trazer transtornos no trânsito e nos passeios. No Carnaval, a cidade lota: é prudente reservar o hotel com pelo menos seis meses de antecedência.


RAIO X


Clássico: Sem o estádio da Fonte Nova desde 2007, quando o desabamento de uma parte da arquibancada matou sete torcedores e determinou seu fechamento, o clássico Bahia x Vitória tem agora um novo palco. Inaugurada em abril de 2013, com triunfo rubro-negro por 5 a 1, a novíssima Arena Fonte Nova ocupa o mesmo lugar do antigo estádio.

Curiosidade: Pouca gente sabe, mas além do famoso Elevador Lacerda, existe um outro equipamento que também faz a ligação entre a Cidade Alta e a Cidade Baixa desde o fim do século 19: trata-se do Plano Inclinado, uma espécie de bonde em uma plataforma. Dos três existentes, apenas o do Pilar está em operação, ligando os bairros do Comércio e Santo Antônio Além do Carmo.

Sabores: A origem da palavra acarajé está na língua africana iorubá. Akará quer dizer “bola de fogo”, e jé significa “comer”. Ou seja: comer bola de fogo. Dependendo da quantidade de pimenta que você pedir para a baiana colocar, qualquer semelhança com o significado literal não terá sido mera coincidência.


2 visualizações0 comentário

コメント


whatsapp.png
bottom of page